jornalbocadopovo.com - MANHUMIRIM (MG) - Direção João Rosendo - JOSÉ GERALDO BARBOSA
 

TELEFONE (33) 3341.1026

 
 
             
I
 

CRÔNICAS DE MAURO BOMFIM

 

Embaixadas no paraíso do Caribe

 

O caribe tem coqueiro. O caribe tem praia, tem mar paradisíaco. Não tem nenhum brasileiro, com exceção de turistas esporádicos. O caribe tem coqueiro, mas tem embaixada brasileira.

 

Na paisagem caribenha tem sol, tem coquetel daiquiri, tem caribenhas com seus balangsandãs. Mas também tem embaixada brasileira, ao custo de mais de 9 milhões de reais por ano cada embaixada.

 

O fanatismo do Governo do PT pelo bolivarismo, tal como o finado Hugo Chávez e o boliviano Hugo Morales , impulsiona o governo brasileiro para uma diploma retro e nanica. O sonho de estabelecer uma hegemenoia nas Américas do Sul e Central, em parceria com Venezuela e Cuba, conduiz esse devaneio de torrar milhões do suado dinheiro do contribuinte brasileiro para manter essa ociosidade diplomatica

 

Até mesmo o turista brasileiro mal desembarca nas ilhas caribenhas, permanecando nos cruzeiros de luxo que apenas aportam no litoral. Mas ali está o fausto e o luxo da embaixada brasileira, mantendo todo o corpo diplomático. Uma burocracia ou burrocracia que leva do nada para o lugar nenhum.

 

O delírio diplomático tupiniquim já instalaou embaixadas em cinco ilhas do Caribe, Barbados, Trinidad e Tobago, Santa Lucia, São Cristóvao e Granada. As cinco juntas torram anualmente cerca de 50 milhões de reais do nosso dinheiro público,

 

De Trinitad e Tobago, além da paisagem cinematográfica, o que se vê anunciar de quando em vez é alguma candidata ao concurso Miss Universo. O ócio na embaixada é tamanho que não há sequer registro de brasileiros para a demanda de procura por passaportes, certidões e outros documentos. Afinal, os raríssimos brasileiros que vivem nas ilhas caribenhas ali trabalham e já se casaram com as nativas.

 

Apologia da inocuidade., É a realidade nua e crua de se manter cinco embaixadas nas ilhas do Caribe. A não ser o atávico sentimento do Governo do PT e da ex-guerrilheira Dilma em criar um bloco das Américas para se contrapor ao hemistério Norte, tentando deslocar a influência dos Estados Unidos e países europes sobre as ilhas do Caribe para o novo eixo da esquerda bolivariana.

 

Enquanto os embaixadores e funcionários das embaixadas se refestelam sob sombra e água fresca do paradisíaco mar carinenho, saboreando mojitos, pinas coladas, malibus e muitas margaritas às custas do suado dinheiro do sofrido povo brasileiro.

 

Sol, mar azul, praia, coqueiro, Caribe. Ilhas paradisíacas dos coquetéis deliciosos à base de rum. Mares dantes invadidos por piratas e corsários. Tesouros e aventuras. Esse é o cenário da nova pirataria diplomática do governo brasileiro. Do cancioneiro popular: “Andou na prancha, cuidado tubarão vai te pegar.....”.

 

 

 

A fila anda e o Congresso vai de carona

A garotada forçou a turma de Brasília a trabalhar. A fila anda e o Congresso vai de carona. Nada como o grito das multidões para tirar o Congresso da letargia e da leniência. Como num passe de mágica projetos de incentivos fiscais para o transporte público paralisados há muitos anos de repente vão para a pauta. A PEC 37, que amordaçava as investigações do Ministério Público contra os corruptos é aprovada em velocidade supersônica, mesmo sem acordo de líderes.

Distribuição dos royalties do petróleo para saúde e educação, aporte de recursos para obras de infra-estrutura. A fila anda e o desatino da rapaziada faz a turma de Brasília trabalhar.

Na maré montante da onda das multidões nas ruas o Supremo também resolveu surfar. Desde 2010 condenara o deputado federal Natan Donadon , do PMDB de Rondônia pelo crime de peculato e desde o julgamento dos primeiros embargos protelatórios já poderia ter determinado a execução da pena. Agora rapidamente decide mandar prá cadeia o primeiro deputado federal desde os trabalhos da Constituinte de 1988.

Mas a cerrada vigilância cívica deve ficar atenta: o Supremo condenou o deputado Donadon por desvio de milhões da Assembléia Legislativa de Rondônia a uma pena inédita de 13 anos, mas quando efetivamente o mesmo irá para a cadeia? E a execução das penas dos mensageiros? Não está na hora do Supremo, capitaneado pelo seu combativo Presidente Joaquim Barbosa mandar a Polícia Federal executar diretamente as penas dos mensaleiros e não encaminhá-las a outro Juízo de execução, adiando indefinidamente a prisão dos corruptos ? Afinal, a instância do foro privilegiado do deputado federal não é o próprio Supremo ? Ou o Juiz Lalau continuará sendo o único colarinho branco preso?

O pacote de medidas da presidenta Dilma inclui o plebiscito sobre a reforma política. Mas a presidenta titubeou quanto à Constituinte exclusiva. Dilma tentou acertar no que não viu, e atirou no que viu. O plebiscito é apenas uma sugestão da presidenta. Quem determina sua realização é o Congresso. Isso porque existe uma lei federal desde 1998, a Lei 9709, que regulamenta a forma do plebiscito. Uma leizinha cômica e tímida que não permite avançar tanto. Quem irá elaborar as perguntas do plebiscito ? E depois do plebiscito ?

As respostas da população voltarão para o Congresso , que será encarregado de elaborar as emendas constitucionais , leis complementares e ordinárias? E aí o Congresso, paquidérmico, não avançará. Por que não atalhar o caminho e o Congresso fazer imediatamente a reforma política no fragor e no calor da batalha das ruas ? Por que não votar imediatamente as PECs e as proposições de lei da reforma política que ali estão há vários anos dormitando a sono solto nos braços de Morfeu, o Deus do sono?

Dilma reagiu rapidamente, ouvindo seus marqueteiros para atender ao clamor das ruas. Mas recuou num ponto fundamental: a Constituinte exclusiva. Basta uma PEC para convocar junto com o Congresso a ser eleito no próximo ano uma Constituinte exclusiva para as reformas política, tributária e previdenciária. A Constituição seria a extensão das ruas. A vigilância cívica permanente dentro do Congresso até a efetiva aprovação das reformas. O marqueteiro da Dilma ouviu o galo cantar mas não sabia onde estava cantando.

MAURO BOMFIM é advogado e cronista – maurobomfim@maurobomfim.com.br

 

Jornal Boca do Povo - CULTURA - DIREÇÃO JOÃO ROSENDO -Copyright 2010 - Todos os direitos reservados
Direção João Rosendo