Notícias
 

TELEFONE (33) 3341.1026

 
 
             
I
Noticias
 

MINA DO LEÃO SECOU...

Em atividade desde a época da Estrada de Ferro Leopoldina a mina da rua sete de setembro agora secou...

No segundo mandato de Nico Franco, o melhor prefeito que Manhumirim já teve, foi feita a obra no local que recebeu o nome de Mina Abrão Khede e colocado na saída o cano a cara de um leão, por isso o povo chama o local de "mina do leão".

Manhumirim já passou por uma seca igual a que estamos vivendo, na década de 80, quando Nico Franco, que tinha como assessor José Jarbas Franco, construiu no Alto Bom Jesus a estação de tratamento e colocou vária bombas que mandavam água de um reservatório para outro, resolvendo o problema da seca.

Os anos se passaram e não houve a preocupação dos prefeitos seguintes em pensar no futuro. Pensaram sim em criar o SAAE para cobrar a água do povo e não fizeram nenhum tipo de investimento de prevenção para futuras secas. O investimento maior foi colocar os hidrômetros e COBRAR mais uma vez do povo.

O que eles fizeram também foi desmatar os montes para construir condomínios de luxo e cortar todas as árvores da cidade. Sim, pois no segundo mandato de Nico foram plantadas mais de dez mil árvores nas ruas da cidade, que foram cortadas depois com autorização dos órgãos "competentes" pelos prefeitos seguintes.

Alguns moradores reclamavam que as árvores sujavam suas calçadas de folhas e outros alegavam que a bonita fachada de sua casa estava encoberta pelas frondosas árvores...

O desrespeito pela natureza, a ganância por ganhar dinheiro com a plantação de eucaliptos, café ou, pior ainda, cortam as árvores simplesmente por cortar, foi uma realidade silenciosa ao longo dos anos.

Não existe chuva sem árvores e água não se inventa...

Chegar onde chegamos é motivo para reflexão nas igrejas, nas escolas, nos clubes de serviço e nos lares de pessoas de bem...

A falta d'água é um estado de calamidade em toda região sudeste do país, onde o precioso líquido jorrava em abundância. Exemplo de São Paulo, uma das cidades mais ricas do mundo, em que o povo está sendo obrigado a conviver com o atual caos dos reservatórios quase vazios.

Quanto ao caso da mina Abrão Khede, a do leão, existem alguns comentários pelas ruas sobre a sua extinção... Vamos aguardar as chuvas para a gente ver se a culpa é da seca mesmo...

Não adianta culpar a administração pública e muito menos os gestores atuais ou do passado, pois a culpa é de todos nós que não respeitamos a natureza e agora estamos começando a pagar o preço.

E fica uma dica: políticos que querem fazer nome em cima da seca, fica mais bonito comprar um monte de muda de árvores e sair plantando pelos montes da cidade que estão em terra seca, acabando com os nossos mananciais e assim estarão construindo o futuro para seus filhos e netos para daqui a mais uns vinte ou trinta anos.

No mais é chorar lágrimas secas e torcer para que a bendita chuva nos presentei com seu precioso líquido...

 

João Rosendo em 12 de outubro de 2014

Mais uma queimada criminosa no dia 12 de outubro de 2014

O nível baixo do Rio Jequitibá, com a falta de oxigenação necessária, está causando a morte de inúmeros peixes

O "morro da Telemig", completamente devastado, sem árvores nenhuma, é alvo todo ano de queimadas.

A mina Abrão Khede (boca do leão) em Manhumirim secou depois de anos e até os poços e cachoeiras de Alto Caparaó estão em níveis alarmantes

Alto Caparaó (MG), onde a água jorrava em abundância formando belas cachoeiras, está em alerta e fazendo campanhas para que o povo economize o precioso líquido

Mesmo com toda a escassez de chuva algumas pessoas ainda continuam com as queimadas criminosas

Locais onde existiam frondosas árvores hoje o que vemos é terra seca e algumas "raquíticas" árvores de eucaliptos lutando contra o fogo

 

Os reservatórios de água de Manhumirim em estado crítico

Nossos mananciais pedem socorro. É preciso urgente pensar em um reflorestamento de nossos montes e áreas onde brotam as nascentes.

Jornal Boca do Povo - DIREÇÃO JOÃO ROSENDO - Copyright 2010 - Todos os direitos reservados